Notícias

Serra da Barriga atrai turismo e reconhecimento cultural para Alagoas

Para comunidade quilombola, reconhecimento do Mercosul é muito simbólico para o movimento negro, demonstra o respeito aos ancestrais que tanto lutaram pela liberdade
Texto de Júlya Rocha

“É necessário resistir e acreditar, mesmo quando às vezes o mundo parece não acreditar mais em sonhos”, disse Mãe Neide. Se pudéssemos expressar em apenas duas palavras o reconhecimento que a Serra da Barriga teve nos últimos dias, seriam elas: resistir e acreditar.

 

A Terra de Zumbi dos Palmares, o herói negro que foi assassinado em 20 de novembro de 1695, reconhecido como um dos maiores símbolos da resistência negra da história do Brasil, é hoje considerada Patrimônio Cultural do Mercosul. Sede de lutas e conquistas, a Serra tem cravada em seu solo a história de um povo que lutou, e ainda luta, pela igualdade racial.

 

A escolha foi realizada durante a XIV Reunión de la Comisión de Patrimonio Cultural do Mercosul Cultural, com candidaturas da Colômbia, Equador e Venezuela, que também apresentaram sítios de interesse para a valoração da contribuição africana no continente sul-americano, na proposta La Geografía del Cimarronaje: Cumbes, Quilombos y Palenques del Mercosur.

 

Para o presidente da Fundação Cultural Palmares, Erivaldo Oliveira, o título de Patrimônio valoriza ainda mais a cultura afro-brasileira. “O reconhecimento do Mercosul é muito simbólico para o movimento negro, demonstra o respeito aos nossos ancestrais que tanto lutaram pela liberdade”, afirmou.

O presidente ressaltou ainda que o reconhecimento da Serra da Barriga pelos países do bloco que participaram da votação foi unânime. “Isso, sem dúvida, tem muito valor. Em cada manifestação favorável à Serra da Barriga, ouvíamos sobre a importância de preservar a cultura afro-brasileira”, disse.

 

E ainda há muito o que conquistar. No próximo ano, segundo Oliveira, a Serra da Barriga deverá concorrer a patrimônio mundial da humanidade, título oferecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

 

Tal reconhecimento, além de ser mais um presente para Alagoas no ano do seu Bicentenário, movimentou e emocionou as organizações e entidades de vários segmentos culturais do Estado. É o caso da Ialorixá e Mestra do Patrimônio Vivo do Estado, Neide Oyá d´Oxum. Uma das maiores lutadoras pela preservação e valorização da Serra da Barriga e da cultura Afro Brasileira.

 

“É uma realização como mulher negra, militante e remanescente. Esse reconhecimento de uma amplitude muito grande, pois valoriza o povo de Zumbi. Além de trazer também muita geração de emprego, pois o turismo vai melhorar, a Serra vai ser vista com outros olhos, com os olhos do amor. Acho que todo povo brasileiro esperava por isso”, pontua. “A Serra é um santuário de amor, de fé, de fé, de resistência. Agradeço a Deus e a minha ancestralidade todos os dias por permitirem que eu durma e acorde nesse solo sagrado”.

 

Para a Secretária de Estado da Cultura Mellina Freitas, o título representa um grande avanço para a cultura como um todo. “O fato da Serra da Barriga ser um símbolo da luta pela liberdade e resistência negra é indiscutível. O reconhecimento como Patrimônio Cultural do Mercosul representa um marco para Alagoas e eleva a autoestima da nossa população, o que desperta o sentimento de pertencimento, fomentando a cultura e o turismo em todo o Estado”.

Desde o ano de 2015, o Iphan luta para tornar a Serra da Barriga um patrimônio do Mercosul e, para isso, convidou pesquisadores para a formulação de um dossiê que apresentava a história, as características atuais e a importância do local como referência geográfica, cultural e histórica. O grupo de trabalho responsável para a candidatura da Serra da Barriga como Patrimônio Cultural do Mercosul, foi coordenado pelo assessor de Relações Internacionais, Marcelo Brito, e contou com vários colaboradores, entre eles  a Técnica para Educação Patrimonial do Iphan, Greciene Lopes .”Viemos realizando esse trabalho desde 2016. Foi um processo longo, mas é muito gratificante ter o primeiro bem alagoano a ter uma título internacional”, comemora.

SIMBOLISMO

Ele é reconhecido como o maior ícone da resistência negra à escravidão. Zumbi dos Palmares nasceu em 1655 e liderou o Quilombo dos Palmares, comunidade livre formada por escravos fugitivos das fazendas no Brasil Colonial. Localizado na região da Serra da Barriga, atualmente integra o município alagoano de União dos Palmares.

Zumbi, cuja morte se deu em 20 de novembro de 1695, motiva a celebração em todo país do Dia da Consciência Negra.

ACESSO

A Serra da Barriga localiza-se no município de União dos Palmares, Zona da Mata do Estado de Alagoas, Brasil. Ocupa uma área de aproximadamente 27,92km². Com extensão de 8 km, a via promete facilitar o deslocamento de moradores e visitantes, o que facilita o turismo em toda região. Isso acontece graças ao Governo de Alagoas, que no dia 7 de fevereiro oficializou a realização da pavimentação do acesso à Serra da Barriga, em União dos Palmares. A ideia é fortalecer o sentimento de pertencimento entre a população e colocar mais uma vez o município no mapa do turismo alagoano.

 Foto: Thiago Sampaio

A expectativa é que a obra seja inaugurada no dia 20 de novembro, em homenagem às comemorações do Dia da Consciência Negra e aos 200 anos de Emancipação Política de Alagoas.

Artigos relacionados
DestaquesNotícias

Empresários do turismo elaboram proposta de plano de manejo do Vale dos Mestres, em Sergipe

Um dos atrativos turísticos da região dos Canions do São Francisco, o Vale dos Mestre foi interditado através de uma…
BLOG DO BALÃODestaquesNotícias

Grupo Vila Galé continua sempre perto de você com a excelência em hotelaria

O grupo hoteleiro português Vila Galé tem sido um exemplo de solidez e compromisso com seus clientes e manteve e…
ALAGOASNotícias

Presidente da AMA cobra esclarecimento técnico oficial sobre eficácia da vacinação com prazo estendido coronavirus

Presidente da AMA cobra esclarecimento técnico oficial sobre eficácia da vacinação com prazo estendido coronavirus Com a redução de imunizantes…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :