ALAGOAS

Com ações permanentes, Estado trabalha para reduzir índices de trabalho infantil

Mapa do Trabalho Infantil aponta que mais de 30 mil crianças e adolescentes estão em situação de trabalho infantil em Alagoas
Texto de Renata Bello

Para evitar que crianças e adolescentes ingressem de modo precoce no mundo do trabalho – e na vida adulta – não basta somente contar com ações que encontrem, verifiquem e afastem meninos e meninas vítimas desse tipo de exploração. É preciso trabalhar a conscientização da população e é nisso que o Governo de Alagoas vem investindo nos últimos anos.

 

Segundo o Mapa do Trabalho Infantil, desenvolvido pela Rede Peteca, projeto que visa a promoção dos direitos da criança e do adolescente e a erradicação do trabalho infantil no país a partir da comunicação, em Alagoas há 30.832 crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil. O número aponta que o Estado teve a segunda maior redução verificada em todo o Brasil comparando o ano de 2015 a 2004, quando o haviam 105.140 meninos e meninas trabalhando de forma exploratória.

 

Ainda de acordo com o levantamento, Alagoas é o  Estado do Nordeste com menor índice de crianças e adolescentes ocupados com algum tipo de trabalho e o 5o menor do Brasil. Uma das fontes utilizadas é a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2015, versão mais recente. A ela, se combina a pesquisa O Trabalho Infantil nos Principais Grupamentos de Atividades Econômicas do Brasil, elaborada pelo Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPETI).

 

O secretário de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social, Fernando Pereira, avalia os números de forma positiva, ressaltando que o combate à exploração e ao trabalho infantil é um dever contínuo e permanente de todos. “Só haverá motivos para comemorarmos quando as pesquisas apontarem que o Estado de Alagoas conseguiu extinguir todas as formas de trabalho infantil. E estamos trabalhando para isto, temos ações permanentes na capital e no interior, ações estratégicas do Governo de Alagoas de orientação e fiscalização”, disse.

 

Entre as atividades permanentes citadas pelo secretário estão as Ações Estratégias do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (AEPETI), sob responsabilidade da Superintendência de Assistência Social, a equipe estadual acompanha, junto aos municípios alagoanos, o trabalho do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV), que assegura às crianças e adolescentes um espaço de cidadania, precavendo-lhes das diferentes formas e expressões de trabalho infantil.

 

Além disso, a Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social (Seades), em parceira com o Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção ao Jovem Trabalhador em Alagoas (Fetipat/AL), promoveu, no ultimo mês de novembro, audiências públicas regionalizadas sobre esta temática.

 

A coordenadora estadual do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil, Maria Conceição Fernandes, explica que participaram das audiências públicas os 31 municípios que recebem recursos federais para o combate ao trabalho infantil.

 

“Desempenhamos nosso papel enquanto Estado, que é dar apoio técnico, acompanhar a execução das Ações Estratégicas do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil.  Queremos despertar a consciência de que quando a criança é responsável por uma parte significativa da renda familiar. Há uma inversão de papéis, o que pode dificultar em seu desenvolvimento”, explica.

Combate ao trabalho infantil durante o carnaval

 

Enquanto milhões de pessoas estarão se divertindo, desfilando ou assistindo aos desfiles de escolas de samba, nos blocos de rua, nas praias e em diversas festas, outras irão trabalhar no Carnaval. Comércio e serviços são as principais atividades que demandam mão de obra nesse período. Parte dos trabalhadores contratados são crianças e adolescentes, cujos direitos fundamentais são violados.

 

Trabalho autônomo ou na condição de empregado, sem carteira assinada, é o mais comum entre as crianças e adolescentes que trabalham em grandes eventos, como o Carnaval. Para prevenir e combater esse tipo de exploração, a Seades, em parceria com o Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção ao Jovem Trabalhador em Alagoas (Fetipat/AL) apoiando a campanha da Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (SNDCA, “Respeitar, Proteger e Garantir”.

 

A campanha busca informar a sociedade sobre os principais canais de registro e encaminhamento de denúncias de violações de direitos humanos: o Disque 100 – serviço telefônico que funciona diariamente, 24 horas por dia – e o aplicativo Proteja Brasil, que está disponível para download nos celulares das plataformas Android e IOS.

 

Trabalho Infantil

 

Segundo o Plano Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção ao Trabalhador Adolescente, são consideradas trabalho infantil as diversas atividades econômicas ou atividades de sobrevivência realizadas por crianças ou adolescentes em idade inferior a 16 anos, exceto na condição de aprendiz, a partir dos 14 anos, sejam elas remuneradas ou não, com ou sem finalidade de lucro.

Artigos relacionados
ALAGOASDestaquesNotícias

Entrelaços: exposição no Parque Shopping apresenta peças em bordados e rendas

Entre pontos, tramas e tecidos, a história de tradições familiares e da cultura alagoana é traduzida em peças de bordados…
ALAGOASCotidianoDestaquesNotíciasSertão

Mix Supermercado é inaugurado em Delmiro gerando emprego e renda

Empreendimento faz parte do Complexo Shopping da Vila que será concluído em julho com 500 novos postos de trabalho e…
ALAGOASDestaquesNotícias

Governo Federal alinha ações de investimento em turismo em Alagoas

Alagoas tem uma vocação para turística e isto é um fato que é facilmente constatado e para alinhar ações e…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :