Notícias

Liberação: Estados Unidas faz promoções para turistas e facilita testes de covid-19

Os empresários do setor de turismo nos Estados Unidos partem agora para reconquistar o mercado com medidas nos aeroportos, que facilitam o acesso dos turistas aumentado os testes de Covid-19 e realizando promoções para atrair os turistas. Uma etapa que eles dizem ser a chave para reabrir os mercados de viagens durante a pandemia. A estratégia é aproveitar a segunda onda da pandemia na Europa facilitar o acesso de turistas nos Estados Unidos com testes em massa nos aeroportos.

Também será realizada campanhas promocionais incríveis para os turistas com preços imbatíveis até mesmo para o turismo doméstico no Brasil. A campanha de marketing terá inclusive diárias free, passeios locais e até uma das “pernas” da passagem aérea grátis ou em classe luxo.

Por isso a recomendação no momento é que não compre nenhum pacote doméstico e para Europa, antes do lançamento das promoções nos Estados Unidos.

Ações

Até a última semana de setembro, apenas o Aeroporto Anchorage do Alasca, juntamente com Newark e New York JFK, ofereciam qualquer teste Covid-19 no local para passageiros, de acordo com fontes do setor. E mesmo os testes oferecidos nos aeroportos da área metropolitana de Nova York foram limitados a 500 por dia no JFK e aproximadamente 400 por dia em Newark.

Enquanto isso, aeroportos em Londres; Istambul; Hong Kong; Cingapura; Bangalore, Índia; e além têm recursos de teste Covid-19. No aeroporto de Frankfurt, por exemplo, uma estação operada pela Lufthansa é capaz de administrar 20.000 testes por dia.

Agora, a maré começou a mudar nos Estados Unidos. Em 1º de outubro, Tampa foi definida para se tornar o primeiro aeroporto dos Estados Unidos a disponibilizar os testes do Covid-19 para todos os passageiros com passagem. Por enquanto, o programa é apenas um piloto de 31 dias. Mas durante o mês de outubro, os passageiros de Tampa poderão fazer um teste rápido do antígeno por US $ 57 ou o teste de reação em cadeia da polimerase, mais preciso, mas mais lento, por US $ 125. 

Em breve, Tampa terá a companhia de Miami, que planeja disponibilizar testes rápidos para todos os passageiros até novembro, disse o porta-voz do aeroporto, Greg Chin. 

As companhias aéreas também estão entrando na arena. Em 24 de setembro, a United anunciou que, a partir de 15 de outubro, oferecerá testes rápidos de Covid-19 no Aeroporto de São Francisco para passageiros que partem para o Havaí . 

O lançamento do programa coincidirá com o início do afrouxamento dos regulamentos de viagens no Havaí . A partir desse dia, os visitantes do Havaí poderão evitar uma quarentena de 14 dias, fornecendo a confirmação de um teste Covid negativo administrado dentro de 72 horas antes da partida.

A American anunciou um programa semelhante de testes rápidos em aeroportos para passageiros do Havaí, também a partir de 15 de outubro, a partir de seu hub em Dallas. 

Em um desenvolvimento que pode ser ainda mais significativo, a American disse em 29 de setembro que vai colaborar com os governos caribenhos nos programas de teste do Covid-19 de pré-viagem no Aeroporto de Miami.

O primeiro programa será um piloto, a partir deste mês, para residentes jamaicanos que voltem para casa. Se o teste de um passageiro for negativo, a exigência de quarentena no local de 14 dias para residentes na Jamaica será dispensada. A American disse que seu objetivo é abrir o teste a todos os passageiros de Miami que voem para a Jamaica.

A parceria será a primeira do tipo entre uma companhia aérea dos Estados Unidos e um governo estrangeiro.

A American também espera lançar um programa semelhante em cooperação com as Bahamas e informou que está em negociações com a comunidade caribenha de 20 nações.

Se forem bem-sucedidos, programas como esses podem servir como modelos para uma expansão mais ampla de parcerias de teste, facilitando viagens para outros países e regiões que permitem a entrada sem quarentena, mas apenas quando os viajantes fornecem prova de um teste Covid-19 negativo recente.

De forma mais ampla, o lobby de viagens vê o teste coordenado como um substituto para quarentenas e fechamento de fronteiras. Em uma carta no mês passado, 18 organizações de comércio de viagens pediram ao governo dos EUA que trabalhe para o estabelecimento de protocolos aceitos globalmente para os testes da Covid-19 para viagens aéreas internacionais.

Ainda assim, mesmo com os testes começando a aumentar nos aeroportos dos EUA, especialistas da indústria dizem que as complexidades regulatórias tornam o estabelecimento de tais programas um desafio. 

“Seria útil se houvesse orientação federal sobre os protocolos e padrões de segurança”, disse Doug Satzman, CEO da XpresCheck, que administra os programas em Newark e JFK. “Na ausência de padrões nacionais, os estados fazem o melhor que podem para definir políticas. Isso cria uma ampla gama de variáveis ​​para companhias aéreas e empresas como nós.” 

Regulamentações separadas de governos estrangeiros aumentam as complexidades, disse Satzman.

Um obstáculo significativo para a rápida implementação dos testes da Covid-19 podem ser as regras de aquisição do aeroporto. Chin, do Aeroporto de Miami, disse que a instalação foi desafiada pelo demorado processo de licitação que seria necessário para selecionar um fornecedor. Miami vai contornar esse problema usando uma concessionária existente.

Em San Francisco, o parceiro de testes da United, GoHealth, pode operar sob a licença de seu parceiro Dignity Health St. Mary’s, que já tem uma clínica no aeroporto, disse o CEO da GoHealth, Todd Latz.

Da mesma forma, o XpresCheck é administrado pelos proprietários do XpresSpa, que atualmente possui instalações fechadas em 20 aeroportos dos EUA. Satzman espera reaproveitar o espaço em alguns desses aeroportos para o XpresCheck, onde operaria sob contratos de concessão existentes.

Logística é outra complicação para programas de teste. Os aeroportos e as companhias aéreas devem ter a capacidade de teste, bem como o número necessário de médicos e enfermeiras para administrar testes suficientes rapidamente.

Além disso, observou Latz, o gerenciamento da capacidade é especialmente complicado quando os testes rápidos são realizados em um ambiente de aeroporto, onde a demanda aumenta e diminui com base nos horários dos voos. A GoHealth, disse ele, precisa ter certeza de que não haverá backups, para que os passageiros possam fazer seus voos, ao marcar compromissos em San Francisco. Mesmo assim, disse Satzman, esses e outros problemas serão resolvidos.

“Testar é absolutamente o caminho para permitir viagens novamente”, disse ele. 

Artigos relacionados
NotíciasViajando Com Mozart

Como alugar um motohome e viajar pelo mundo

Em tempos de pandemia do covid-19 uma das opções para viajar tem sido alugar um motohome e sair pelo Brasil…
ALAGOASNotícias

Secretário Rafael Brito reúne trade turístico para alinhamento de ações promocionais

Em 2020 o turismo em Alagoas alcançou a liderança do mercado nacional e esteve em evidência durante todo o ano…
CotidianoNotícias

Prefeitura da Barra de Santo Antônio garante medicação à população

A administração da prefeita Lívia Carla e do vice Cleber Malta, esta mudando a realidade da Barra de Santo Antônio…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :