Destaques

Meio ambiente: combustível sustentável para aviação

Embora ainda seja uma gota no oceano em comparação com o combustível de aviação convencional, o uso de combustível de aviação sustentável está prestes a aumentar, com produtores, fabricantes de aeronaves, companhias aéreas e governos trabalhando para superar obstáculos como custos mais altos e problemas de cadeia de suprimentos.

Por Robert Silk

Em uma tarde chuvosa de janeiro passado, subi a bordo de um jato executivo Gulfstream G280 no Aeroporto Van Nuys, na área de Los Angeles, para um voo de lazer de uma hora ao longo da costa coberta de nuvens. Um fator, no entanto, diferenciava esse voo da esmagadora maioria dos voos que decolaram ao redor do mundo naquele dia: ele era movido, em parte, por combustível de aviação sustentável (SAF). 

O consumo mundial de combustível de aviação em 2018 foi de aproximadamente 90 bilhões de galões. Mas a produção de combustível de aviação sustentável atingiu uma pequena fração desse total – algo ao norte de 4 milhões de galões, a grande maioria dos quais foi produzida em uma única refinaria no subúrbio de Los Angeles, Paramount.

Oito anos depois que a transportadora holandesa KLM realizou o primeiro vôo comercial movido pela SAF, o uso de combustível renovável na indústria da aviação continua incipiente. É um dilema, dizem os especialistas do setor, causado pela grande diferença de preços entre o SAF e o combustível de aviação convencional, bem como pela escassez de matéria-prima e pela ausência de uma cadeia de abastecimento substancial. Mas enquanto a indústria da aviação comercial se prepara para o lançamento em 2021 de um esquema de redução de carbono sancionado pelas Nações Unidas, há pelo menos sinais de que o progresso está próximo. 

“Espero uma produção quantitativa bastante significativa [de SAF] em 2022, com certeza”, disse Steve Csonka, diretor executivo da Commercial Aviation Alternative Fuels Initiative, uma coalizão de partes interessadas da aviação, incluindo a FAA e o grupo comercial Airlines for America, que foi formada em 2006 para auxiliar na introdução da SAF no mercado. 

No ano passado, a World Energy, dona da refinaria Paramount, produziu 4 milhões de galões de combustível renovável para aviação, que compôs a maior parte do abastecimento mundial. No final do ano, no entanto, a World Energy foi incorporada no negócio de produção pela Neste da Finlândia, que retomou a produção da SAF após um hiato de vários anos devido à falta de demanda. A Gevo, sediada no Colorado, também produziu 100.000 galões de combustível sustentável para aviação no ano passado, mas em lote, e não por meio da produção de refinaria padrão.

A avaliação de Csonka em relação à produção futura é orientada pelo número de refinarias que estão em construção ou em fase de planejamento em todo o mundo.

Na categoria em construção está Lakeview, Minério, refinaria da Red Rock Biofuels, que espera produzir 15 milhões de galões de SAF por ano e tem uma data de inauguração prevista para o final deste ano. 

Também está em construção uma refinaria de 11 milhões de galões por ano da Fulcrum BioEnergy, com sede na Califórnia, a leste de Reno, Nev. Está programada para ser inaugurada no primeiro semestre do próximo ano, mas não produzirá SAF imediatamente. No entanto, a empresa planeja atualizar as instalações para a produção de SAF, disse o vice-presidente de administração Rick Barraza, que se recusou a fornecer detalhes sobre o cronograma. 

A Fulcrum também anunciou planos para a inovação em 2020 de uma refinaria de 33 milhões de galões por ano em Gary, Indiana, a ser dividida 50/50 entre diesel renovável e SAF. 

Neste, entretanto, anunciou que aumentará a capacidade de produção em uma planta de diesel renovável que tem em Cingapura em 340 milhões de galões anualmente até 2022. A empresa planeja colocar uma porção significativa dessa capacidade de expansão em combustível para aviação, gerente de desenvolvimento comercial Lana Van Marter disse. 

Outras empresas que anunciaram planos para começar a produzir combustível renovável para aviação incluem Preem, da Suécia, e LanzaTech, de Illinois, que planeja uma refinaria na Geórgia. Além disso, a World Energy planeja aumentar sua capacidade de refinaria Paramount nos próximos dois anos, de aproximadamente 40 milhões de galões de combustíveis renováveis ​​anualmente para cerca de 300 milhões de galões. A empresa espera colocar cerca de 60 milhões de galões dessa capacidade na SAF, disse o diretor comercial Bryan Sherbacow em uma reunião de executivos da aviação executiva em uma conferência no Aeroporto Van Nuys em janeiro. 

Ao todo, as companhias aéreas se comprometeram a comprar mais de 250 milhões de galões de SAF anualmente, disse Csonka. A produção, acrescentou, poderá atingir esse nível até o final de 2022, dependendo do ritmo com que os projetos forem concluídos, bem como de quais projetos em discussão realmente avançam. 

É o suficiente para sugerir que a indústria de combustível de aviação sustentável está chegando a um ponto crítico. Mas Csonka avisa que é importante manter a perspectiva. Só os EUA produziram 26 bilhões de galões de combustível para aviação no ano passado. Assim, 250 milhões de galões representariam menos de 1% desse total.

“Se você olhar para o consumo total e comparar com esses anúncios, ainda é uma gota no oceano figurativamente, talvez literalmente”, disse ele. 

Artigos relacionados
DestaquesNotícias

Turismo: veja as startups da Hot 25 em 2021

Viagem, turismo e hospitalidade estão em uma situação difícil, pois chegam aos últimos meses de um ano devastador. Companhias aéreas,…
BLOG DO BALÃODestaques

BRAGA MELHOR DESTINO TURÍSTICO PARA 2021

Hoje vamos conhecer a capital da província do Minho a cidade de Braga, que a muito poucos dias conquistou o título…
DestaquesNotícias

Relatório da IATA preocupa aviação para 2021

Uma informação data pela IATA, que controla o sistema de aviação civil no mundo,  divulgada hoje nos Estados Unidos foi…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :