AgresteCotidiano

Reserva Mato da Onça adere ao SIGEEI para combater espécies exóticas

Para melhorar suas ações de enfrentamento e erradicação de espécies invasoras, a RPPN Mato da Onça aderiu ao SIGEEI – Sistema de Gerenciamento de Espécies Exóticas Invasoras em Unidades de Conservação, inciativa em implantação pela Universidade Federal de Lavras e parceiros, voltada para Unidades de Conservação em todo o Brasil

Desde sua implantação que a RMO – RPPN Mato da Onça tem enfrentado situações de ocorrência de espécies invasoras (flora e fauna) no interior da poligonal. No caso da flora em particular, logo após a aquisição da área, uma das primeiras ações foi a erradicação de centenas de indivíduos de algarobas (Prosopis juliflora), produto do descaso dos antigos proprietários e também de propagação a partir de propriedades vizinhas. A supressão das algarobas foi uma atividade complexa, de alto custo, porém rendeu bons resultados, uma vez que sem a espécie, imediatamente a vegetação nativa ocupou o espaço antes dominado pelas invasoras.

A localização da Reserva Mato da Onça, no alto sertão do Baixo São Francisco. Cartografia: InfoSãoFrancisco

Quanto à fauna, um dos problemas é a presença de espécies exóticas domésticas (de propriedades no entorno), como cães e gatos, que encontram alimento farto uma vez que há um retorno consistente de fauna silvestre para a área protegida da RMO.

Tendo conhecimento do SIGEEI – Sistema de Gerenciamento de Espécies Exóticas Invasoras em Unidades de Conservação, da integração de seus objetivos e atividades ao Plano de Manejo da RMO e do potencial para melhorias na sua gestão da RMO, foram realizados contatos e a inclusão da RMO no cadastro que passará a contar com dados da Unidade de Conservação.

A expectativa para a RMO, integrada ao SIGEEI, é que seja possível a dinamização e consolidação de atividades de monitoramento e controle das espécies invasoras.

O que é o SIGEEI

O Sistema de Gerenciamento de Espécies Exóticas Invasoras em Unidades de Conservação (SIGEEI) é uma ferramenta de apoio à gestão das unidades de conservação. O SIGEEI auxilia Unidades de Conservação na detecção, registro, controle e monitoramento de espécies exóticas invasoras e invasões biológicas dentro e ao redor das áreas protegidas. Além de manter um registro permanente das espécies exóticas, ocorrências de invasão e atividades de manejo já realizadas, o SIGEEI também oferece uma ferramenta de priorização de espécies e locais de invasão para controle e monitoramento. Desta forma, o gestor da UC sabe quais espécies e ocorrências de invasão devem receber esforços de controle primeiro.

Estrutura conceitual do esquema de definição de prioridades para o controle de espécies exóticas invasoras em áreas protegidas. Gráfico: SIGEEI

O SIGEEI é integrado com o Banco de dados de Espécies Exóticas Invasoras no Brasil do Instituto Hórus e segue as definições e orientações do Guia de Orientação para o Manejo de Espécies Exóticas Invasoras em Unidades de Conservação Federais do ICMBio. O SIGEEI também busca facilitar o trabalho do gestor oferecendo importação direta de dados do sistema nos formulários da Instrução Normativa ICMBio n° 6/2019, que define os procedimentos para emissão de autorização para o manejo de espécies exóticas invasoras em UCs federais. Para órgãos públicos, pesquisadores e o público o SIGEEI oferece diferentes ferramentas de relatórios e exportação de dados para consulta e análise sobre invasões biológicas em Unidades de Conservação.

O SIGEEI foi elaborado pelo Laboratório de Ecologia de Invasões e Conservação da Biodiversidade da Universidade Federal de Lavras em parceira com o Parque Nacional de Itatiaia, o Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental e o Laboratório de Ecologia de Invasões Biológicas, Manejo e Conservação da Universidade Federal de Santa Catarina.

O desenvolvimento do SIGEEI foi financiando pelo ICMBio e CNPq com o projeto “Unidades de Conservação são fontes ou drenos de espécies exóticas invasoras? Uma análise de rotas e vetores de invasões biológicas com foco em manejo e restauração”, aprovado na chamada CNPQ/ICMBIO/FAPs nº 18/2017 – Linha 2 – Mata Atlântica, processo CNPq 421254/2017-3.

Fontes

SIte conoadetolda.org.br

SIGEEI

Artigos relacionados
CotidianoNotícias

Prefeitura do Pilar recebeu R$ 200 milhões de royalties, informa vereadora Thaís Canuto

Um processo judicial entre os municípios de Marechal Deodoro e Pilar, pela posse da Estação Coletora de Embarque e Desembarque…
AgresteCotidianoNotícias

Covid-19: Hospital Regional de Arapiraca vacina todos os funcionários

Uma boa nova vem do Hospital Regional Nossa Senhora do Bom Conselho, referência em atendimentos na cidade de Arapiraca e…
CotidianoDestaques

Mães da Barra de Santo Antônio são beneficiadas Programa Cria

A Barra de Santo Antônio está vivendo momentos grande transformação rumo ao desenvolvimento e na busca de melhoria de vida…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :