Notícias

Maceió é terceiro destino no Brasil para o qual mais se vendeu bilhetes aéreos

Em entrevista a ex-presidente da Embratur, Jeanine Pires, o sucesso de Alagoas nas politicas destinadas ao turismo e afirma que o Brasil é auto suficiente em turismo, porque tem o 5º maior publico de turismo doméstico. Jeanine lamentou ainda a situação atual da Embratur ,que segundo ele teria ficado sem dotação orçamentária para promoção do turismo

Maceió está em terceiro lugar no Brasil, com maior registro para onde foram  vendidos bilhetes aéreos, no período de 26 de outubro a 29 de novembro. A informação é de Jeanine Pires, diretora da Pires Inteligência em Destinos e Eventos e Diretora da MATCHER e ex-secretária estadual de turismo de Alagoas e também ex-presidente da Embratur, em entrevista exclusiva ao nosso portal circuitoalagoas.com.br.

Segundo ela, Maceió está muito bem no cenário da retomada do turismo no Brasil e esta busca pelo destino se dá graças a alguns fatores como o bom parque hoteleiro, o sentimento de segurança que se tem no cenário da pandemia; já que Alagoas demonstrou competência na condução das ações de controle do covid-19. Além da implantação de uma política de incentivo fiscal de redução do ICMS cobrado pelo combustível de aviação.

Alagoas, antes mesmo da pandemia, já vinha se destacando como o destino mais seguro para o turista no Brasil e com as medidas de prevenção a pandemia, se credenciou ainda mais e agora sai na frente com destaque na retomada das atividades turísticas.

Entretanto, segundo ainda Jeanine Pires, a segunda onda da covid-19, deixa um dúvida quanto ao cenário para janeiro, pois o número de casos continua crescendo. Mesmo assim, ela acredita no potencial turístico de Alagoas e também no trabalho que vem sendo realizado de marketing.

Necessidades

A ex-secretária estadual de turismo disse ainda que existem necessidades a serem supridas em Alagoas, como por exemplo investir na implantação de recursos tecnológicos que melhore a experiência do turista, primando por recurso sem toque, sem contato físico, principalmente na área da aviação e hotelaria. Segundo ela esta é uma exigência do mercado, até mesmo antes da pandemia.

Indagada sobre as condições de nossos aeroportos e falta de investimentos para implantação de ferramentas tecnológicas, Jeanine Pires disse que a Aena assumiu o aeroporto em plena pandemia, mas reafirmou que será preciso realmente investir em tecnologia no processo de retomada da atividade turística.

Brasil

Jeanine Pires apresentou números com relação a pujança da atividade turística doméstica no Brasil, informando que somos o quinto maior mercado doméstico do mundo para o turismo; comprovando que o país é autossuficiente nesta atividade e que não depende do turismo internacional.

Contudo, ela ressalta que o fluxo internacional agrega valor ao destino e precisa de ações para ser realizado com sucesso. Jeanine Pires, que foi presidente da Embratur, lamentou a situação da instituição atualmente, por ter perdido seu orçamento. A situação é tão grave que hoje o órgão está solicitando suplementação orçamentária para conseguir pagar os salários dos servidores.

O Brasil perdeu 470 mil postos de trabalho na atividade turística devido à pandemia e Alagoas 2.609 mil. Os números assustam, mas não apavoram o setor que está se recuperando rapidamente, devido a uma demanda reprimida, e Maceió tem sido um destino bastante procurado, pelos motivos já citados.

A transformação da Embratur em agência de fomento do turismo internacional era uma antiga reivindicação do trade turístico nacional, mas o processo com o Congresso Nacional e com o Sebrae foi mal conduzido e terminou deixando a Embratur sem dotação orçamentária.

TAP e Vila Galé

Jeanine Pires declarou que é importante manter campanhas de marketing, mesmo durante a pandemia. Segundo ela, isto é uma decisão estratégica para não deixar apagar da memória dos turistas os destinos. Para cada momento deve ser empregado um tipo de mensagem e sempre mantendo a linha de comunicação viva.

Alagoas, por exemplo, segundo a ex-presidente da Embratur, vem seguindo uma linha de trabalho muito boa, mantendo o marketing de divulgação do destino no Brasil e também na Europa, já que Maceió tem um voo direto de Lisboa. Esta ação estratégica é fundamental para que na volta da normalidade, o fluxo de turismo aumente.

Um fato que deve incrementar o turismo internacional de Alagoas é a chegada da rede Vila Galé, que credencia o destino na hotelaria, já que o Grupo é sólido e conhecido em todo mundo.

Para ela, a conquista do voo direto da TAP de Lisboa e a chegada do Grupo Vila Galé são divisores de águas para o turismo em Alagoas. Contudo lembrou desafios a serem realizados, como obras de saneamento básico, começando pela orla de Maceió e dos destinos turísticos nos municípios.

Para finalizar, não poderíamos deixar de perguntar sobre o perfil que ela deseja para o novo secretário de turismo de Maceió. Para Jeanine Pires, tem que ser uma pessoa que dê continuidade e faça melhorias nas políticas públicas, que já vinham sendo implantadas.  

Artigos relacionados
DestaquesNotícias

AMADEUS tem prejuízo de US$ 1,6 bi

O impacto da pandemia de covid-19 no sector das viagens e turismo é evidenciado pelo Amadeus, uma das companhias mais…
DestaquesNotícias

Amadeus faz parceria com Microsof para inovar em tecnologia no turismo

O Amadeus assinou um acordo com a Microsoft para usar a sua “tecnologia de cloud para inovar e explorar novos…
DestaquesNotícias

Europa vai exigir atestado de vacinação para quem viajar ao Continente

O primeiro-ministro, António Costa, explicou, no final da reunião de líderes europeus desta sexta-feira, que a Comissão Europeia está a…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :