Notícias

Alagoas tem o maior índice de ocupação hoteleira do Brasil com média de 90%

Os principais destinos turísticos de Alagoas comemoram os altos índices de ocupação dos hotéis para o período de Carnaval. Maceió, segundo o vice-presidente da Associação Brasileira da Industrial Hoteleira (Abih) Milton Vasconcelos Neto, o índice chega a 69%, mas pode chegar aos 100% até sábado.

Em Maragogi o percentual também de ocupação se mantém alto com mais de 90%, sendo que estrategicamente muitos hotéis estão guardando apartamentos para vendas diretas no balcão com preços muitos alto, quase 100% maior que os disponibilizados nas plataformas de vendas. Maragogi é hoje o destino mais vendidos da maior operadora de turismo do Brasil, a CVC Corp.

O terceiro destino turístico de Alagoas, Piranhas também comemora o alto índice de ocupação e segundo o representante da Abih, na região Eduardo Clemente, que também é secretário municipal de turismo, o percentual chega a mais de 90% deve bater os 100% nesta sexta-feira. “Estamos praticamente lotados, principalmente os maiores hotéis e pousadas”, declarou ele, comemorando a consolidação do município no cenário do turismo nacional.

A badalada Rota Ecológica, as reservas praticamente para o Carnaval já estavam esgotadas, mas ocorreram algumas desistências por motivos de saúde e também por não ter sido decretado feriado, levando muitos empresários a abrir seus negócios durante a semana de Carnaval.

Cenário Nacional

Segundo dados da  ABIH nacional que fez um levantamento sobre ocupação nacional dos hotéis para o carnaval 2021os números no resto do país estão muito abaixo dos índices de 2019 e de anos anteriores devido aos efeitos da pandemia.

Na cidade do Rio de Janeiro, com o cancelamento do Carnaval pela Prefeitura, a ocupação não deve ultrapassar os 50%. Em 2020, a ocupação nos hotéis cariocas tinha ficado, em média, em 93%, chegando perto de 100% durante o período. A ocupação neste verão, por sua vez, vem sendo de 40%.

Em São Paulo, na capital, no segundo semestre de 2019 a ocupação média ficou em 20% e as perspectivas de melhora são somente para o segundo semestre, com a volta dos eventos. No Carnaval, o estado segue a mesma tendência do Rio de Janeiro. Com o cancelamento da festa oficial e de qualquer evento e também do ponto facultativo na capital, a cidade deve ter uma ocupação muito abaixo de anos anteriores.

No Ceará, o Carnaval, que está suspenso pelo governo do estado, em anos anteriores chegava em média a 70%, mas nesse ano, a expectativa é atingir apenas 40%; A cidade de Fortaleza terá índices muito menores que em anos passados: em janeiro atingiu apenas 55%.

Em Salvador, principal destino baiano no período, e em diversas cidades, com a suspensão das festas de Carnaval, a ocupação hoteleira na Bahia, durante toda a alta temporada, deve ficar em cerca de 70% menor do que foi em 2020. A ocupação em dezembro foi de 50%, enquanto o esperado era chegar a 70%.

O cenário é semelhante em Pernambuco, com o cancelamento das prévias e das festas de Carnaval pelas autoridades, a ocupação hoteleira durante as festas que em anos anteriores nos principais destinos do estado, Recife e Porto de Galinhas chegava a 97%, em 2021 não deve ultrapassar os 60%.

No Rio Grande do Norte, a ocupação está em 55% na alta temporada e deve manter esses números para o Carnaval.

Em Santa Catarina também há queda na comparação com o ano passado. Em 2020, janeiro teve 79% de ocupação, contra apenas 48% esse ano. Os destinos de praias tiveram maior ocupação (53%), assim como no Centro (49%). Os piores resultados foram registrados no continente (36%).

Porto Alegre também registrou baixa ocupação em janeiro, ficando em torno de 25%, uma queda de 30% em relação a 2020. Uma das cidades mais procuradas do Rio Grande do Sul, Gramado, no primeiro mês do ano, ficou em 45%, menos da metade da ocupação total registrada no ano passado. Para fevereiro, o cenário não deve mudar, pois na capital vários hotéis seguem fechados, enquanto no principal destino do interior a ocupação não deve ultrapassar os 25%.

No Mato Grosso do Sul, a hotelaria vem trabalhando com cerca de 30% de ocupação. No Mato Grosso, a expectativa é que o Carnaval também não tenha muita movimentação, pois Cuiabá já decretou estado de emergência e o governador suspendeu o ponto facultativo no período.

O presidente da ABIH Nacional, Manoel Linhares, afirma ser urgente que o governo federal lance medidas para salvar o setor. “Para que o turismo e a hotelaria consigam sobreviver, precisamos de medidas assertivas como a suspensão da cobrança das parcelas dos fundos de financiamentos também em 2021 – como foi feito a partir de abril até dezembro de 2020 – e a reprogramação dos pagamentos a partir de 2022”, afirmou o presidente da ABIH Nacional.

“A hotelaria nacional, principalmente nos destinos corporativos, ainda não conseguiu chegar nem perto de 20% dos números alcançados em 2019 e a atual taxa de ocupação, na maioria absoluta dos hotéis, não cobre sequer seus custos operacionais”, completou Manoel Linhares.

Artigos relacionados
DestaquesNotícias

AMADEUS tem prejuízo de US$ 1,6 bi

O impacto da pandemia de covid-19 no sector das viagens e turismo é evidenciado pelo Amadeus, uma das companhias mais…
DestaquesNotícias

Amadeus faz parceria com Microsof para inovar em tecnologia no turismo

O Amadeus assinou um acordo com a Microsoft para usar a sua “tecnologia de cloud para inovar e explorar novos…
DestaquesNotícias

Europa vai exigir atestado de vacinação para quem viajar ao Continente

O primeiro-ministro, António Costa, explicou, no final da reunião de líderes europeus desta sexta-feira, que a Comissão Europeia está a…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :