DestaquesNotícias

MPF pede exigência exame de covid em voos nacionais

Com a demora na compra de vacinas no Brasil, as medidas preventiva tendem a ser mais rigorosa por parte das autoridades que temem um cenário caótico no sistema de saúde, devido a mudança do vírus. Uma das medidas preventivas pode ser a exigência do teste RT-PCR nos voos domésticos. Contudo se essa exigência for aprovada deverá causar um grande impacto na atividade turística em todo Brasil.

E neste sentido o Ministério Público Federal (MPF) ingressou com a ação na Justiça Federal no Ceará para obrigar a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e a União a exigirem exame de Covid-19 para passageiros e tripulantes em voos nacionais. A medida visa conter o avanço da epidemia da doença diante da disseminação de novas variantes do coronavírus.

Na ação, o MPF pede a proibição de embarque a quem deixar de apresentar exame de detecção do tipo RT-PCR com resultado negativo para Sars-Cov-2 , realizado com antecedência máxima de 72 horas da partida do voo ou de seu desembarque. A vedação, se determinada pela Justiça, teria validade para voos comerciais e voos privados (particulares, alugados ou fretados).

Os dados oficias coletados pelas secretarias de saúde estaduais e pelo Ministério da Saúde demonstram sucessivos avanços de casos confirmados em território brasileiro de infecção pelo coronavírus. O país vem tendo registros diários de uma média móvel de mortes superior a mil  nos últimos 15 dias,  entre final de janeiro e início de fevereiro.

“De nada adianta o distanciamento social e as medidas farmacológicas, se se permite a inserção no território de novas pessoas infectadas, que não estavam submetidas a qualquer forma de contenção”, afirma o MPF na ação assinada por quatro procuradores da República: Márcio Torres, Nilce Cunha, Alessander Sales e Ricardo Magalhães de Mendonça. “Quando não viável o fechamento das fronteiras, barreiras sanitárias eficazes devem ser criadas”, defendem.

Para os procuradores, o número de pessoas infectadas tende a crescer em escala geométrica se não forem adotadas sérias medidas de distanciamento social e restrições ao livre trânsito de pessoas no tráfego aéreo, veículo que se prestou e ainda se presta à universalização e diversificação da grave doença causada pelo coronavírus.

O MPF avalia não ser razoável que a via aérea continue a funcionar como porta aberta à livre circulação do vírus e suas incontáveis variantes, que no processo evolutivo se impõem como mais graves e mais transmissíveis.

Artigos relacionados
DestaquesNotícias

Empresários do turismo elaboram proposta de plano de manejo do Vale dos Mestres, em Sergipe

Um dos atrativos turísticos da região dos Canions do São Francisco, o Vale dos Mestre foi interditado através de uma…
BLOG DO BALÃODestaquesNotícias

Grupo Vila Galé continua sempre perto de você com a excelência em hotelaria

O grupo hoteleiro português Vila Galé tem sido um exemplo de solidez e compromisso com seus clientes e manteve e…
ALAGOASNotícias

Presidente da AMA cobra esclarecimento técnico oficial sobre eficácia da vacinação com prazo estendido coronavirus

Presidente da AMA cobra esclarecimento técnico oficial sobre eficácia da vacinação com prazo estendido coronavirus Com a redução de imunizantes…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :