Fiscalização flagra crimes ambientais em Passo do Camaragibe

0
Fiscais do IMA flagaram uma supressão de vegetação, onde árvores nativas estavam sendo cortadas em uma encosta com mais de 45º de declive (Foto: Ascom/IMA)

Clarice Maia

Uma equipe da diretoria de Monitoramento e Fiscalização do Instituto do Meio Ambiente (IMA), com apoio do Batalhão de Polícia Ambiental (BPA), encontrou desmatamento e escavações sendo feitas em área de várzea e margem de rio, durante ação realizada nesta quinta-feira (09), no município de Passo do Camaragibe. O problema foi informado por moradores da região, que utilizaram o Canal Verde do órgão, linha direta para denúncias de crimes ambientais.

A equipe encontrou escavação de seis tanques na área de várzea e margem do rio Camaragibe, provavelmente para instalação de atividades relacionadas à aquicultura. O local é parte do terreno de uma antiga pousada que foi comprada, segundo informações de moradores da região, para instalação de um abrigo para recuperação de dependentes químicos.

Além das escavações, os fiscais do IMA ainda flagraram uma supressão de vegetação. Árvores nativas estavam sendo cortadas em uma encosta com mais de 45º de declive. O responsável pela ação, José Francilino da Silva, disse que “não sabia que não podia cortar essas árvores, estava só limpando para melhorar os coqueiros”.

A motosserra usada na ação foi apreendida para que fosse comprovado o crime e para coibir a continuidade do trabalho de separação da madeira que seria vendida, “provavelmente como lenha para padarias ou cerâmicas da região”, comentou o fiscal do IMA, Wolney Lima, o qual explicou que o trabalhador recebeu uma advertência e tem 15 dias para comparecer ao órgão e prestar esclarecimentos.

A equipe conversou com o proprietário da área por telefone, já que não estava presente no local. Foi entregue ao representante dele um auto de infração, com multa estipulada em pouco mais R$ 35,6 mil e o prazo de 20 dias para comparecer ao órgão e apresentar defesa.

O número do Canal Verde do IMA é 0800 082 1523, a ligação é gratuita e as denúncias podem ser anônimas.

COMPARTILHE

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA